"Deus foi o 34.º mineiro..."

«Chefe» dos mineiros soterrados no Chile peregrinou a Fátima


FATIMA, 11 Dez. 10 (ACI) .-

 Luis Urzúa, «chefe» dos 33 mineiros resgatados a 13 de Outubro da Mina de S. José, no Chile, após dois meses a 700 metros de profundidade, peregrinou esta Sexta-feira ao Santuário de Fátima. Na ocasião o mineiro agradeceu a Nossa Senhora de Fátima pelo seu resgate e o dos seus companheiros. Chefe de turno, Luis Urzúa foi uma das principais figuras no processo que permitiu o resgate do grupo e o primeiro a falar para o exterior.

Segundo informou a Agência Ecclesia do episcopado português, à sua chegada à Reitoria, Luis Urzúa foi recebido pelo capelão do Santuário responsável pelo acolhimento aos Peregrinos de língua espanhola, o padre espanhol Ángel Alonso Ramirez. Durante a sua permanência em Fátima, o peregrino chileno foi saudado por funcionários, sacerdotes e por outros peregrinos.

"Estou em Portugal desde a Segunda-feira (6 de Dezembro). Regresso hoje ao Chile. O acolhimento dos portugueses foi maravilhoso. Ontem liguei para a minha mulher - tenho dois filhos – para dizer-lhes que viria hoje a Fátima. Ela ficou muito feliz", afirmou.

Durante a visita-guiada à exposição "Fátima Luz e Paz", Urzúa, ao passar ao lado de uma fotografia dos três videntes, disse: "Conheço-os muito bem, são os Três Pastorinhos de Fátima".

"Fátima é muito famosa no mundo latino", explicou para sublinhar que, quando saiu da mina, a 13 de Outubro, dia do aniversário da última aparição da Virgem em Fátima, sentiu que tinha de agradecer a Nossa Senhora pela sua vida e pela vida dos seus colegas de trabalho.

Durante o tempo em que o grupo esteve soterrado rezaram todos os dias. "Os primeiros tempos, até ao primeiro sinal de que nos tinham encontrado, foram muito duros, mas a fé e a esperança nunca nos abandonou", recordou, sublinhando que passaram fome, tiveram medo, mas não se deixaram nunca abater pelo desânimo, afirmou Urzúa à Agência Ecclesia.

"Deus foi o 34.º mineiro, esteve sempre conosco, ao nosso lado", afirmou o mineiro chileno.

Quando a 22 de Agosto, através de um bilhete fizeram saber ao mundo "Estamos bem no refúgio, os 33", já estava estabelecida a regra de rezar todos os dias. As diferentes religiões que cada homem soterrado professa – Luís Urzúa é católico – não impediu a vivência e união espiritual.

"A certa altura, pedíamos a Deus que as pessoas rezassem por nós e rezávamos também por quem trabalhava para nos salvar, para que não perdesse a força para fazer o que deviam fazer", recordou.


Comentários