De budista a tomista: a conversão ao catolicismo do filósofo Paul Williams


Catedrático de filosofia budista e de religiões indianas na Universidade de Bristol e budista praticante, Paul Williams tem sido por mais de 30 anos uma das principais autoridades acadêmicas sobre budismo no Reino Unido, sendo um budista convicto, intelectual e profissional. Porém, em 1999, surpreendeu seus alunos, colegas e familiares, quando anunciou que se convertera ao cristianismo, especialmente o catolicismo mais ortodoxo. Em 2002 publicou  seu testemunho de conversão e suas reflexões. Ele se converteu ao catolicismo após refletir sobre carma e vida após a morte.

A revista budista Dharmalife não escondeu sua perplexidade:
"Williams é um dos principais estudiosos britânicos do Budismo e um praticante budista há muitos anos. Na verdade, seu livro Budismo Mahayana é uma jóia de clareza e visão. Como foi surpreendente, dois anos atrás, ouvi-lo dizer que decidiu tornar-se católico! [...] Sobre o catolicismo, eu tendia a supor que o budismo fosse a escolha espiritual e natural dos povos modernos, enquanto que o catolicismo estaria preso a um passado conturbado . Minha visão do catolicismo é influenciada pelo testemunho de ex católicos amigos sobre os efeitos debilitantes da culpa e sua busca de fundamentos emocionais saudáveis para suas vidas ... Como poderia uma pessoa inteligente e bem informada escolher essa opção?", pergunta o crítico da revista.

Williams explicou em seu livro Caminho Inesperado, de 2002, e em entrevistas e testemunhos escritos.

Uma juventude anglicana fria
Paul Williams nasceu em 1950. A família de sua mãe não era religiosa, mas depois de sua conversão foi descoberto que a avó era católica. A família de seu pai era Anglicana mas sem devoção. Em idade jovem, Paul se juntou ao coro da paróquia anglicana porque gostava de cantar. Foi confirmado na adolescência pelo bispo anglicano de Dover e aos 18 anos lembra de ter comungado uma vez. Mas não tinha uma estreita relação com Cristo e nem fez qualquer curso sobre a doutrina. Seu irmão trouxe para casa a partir da biblioteca um livro sobre ioga, e Williams ficou interessado na cultura oriental, que na década de 60 era uma moda alternativa muito em voga. "Eu estava envolvido no estilo de vida e coisas que os adolescentes fazem. Quando se aproximaram os exames escolares, deixei o coro, sai da igreja e perdi contato com ela; deixei meu cabelo comprido e vestia-me de forma bizarra."

Meditação Budista
Ele estudou na Universidade de Sussex especializada em filosofia indiana e, em seguida, estudou o budismo. Embora tivesse lido alguns escritos de São Tomás de Aquino que lhe pareciam admiráveis, logo os esqueceu. "Por um tempo fui para a Meditação Transcendental de Maharishi Mahesh Yogi , mas depois parei porque odiava a superficialidade e achei que distorcia a tradição indiana ", escreve ele em seu livro. Em 1973 a tendência já era clara: ele tinha estudado tanto o Budismo que passou a ver o mundo com as categorias do budismo, em que tudo parecia consistente, Deus era desnecessário e assim foi considerado um budista, formalmente como budista na tradição tibetana Dgelugspa, o Dalai Lama. Como professor na Universidade de Bristol criou o seu próprio círculo de budistas, praticava meditação, dava palestras em reuniões, apareceu em talk-shows como budista tibetano e participou de debates públicos com o dissidente da Igreja Católica Hans Küng e o orientalista catalão Raimon Panikkar .

O que o atraiu ao budismo
“Eu estava interessado em filosofia, mas também na meditação e no Oriente exótico. Muitos de nós achamos o budismo interessante em princípio, porque parecia muito mais racional do que as alternativas, além de que os budistas eram muito mais exóticos. Não acreditava em Deus. Ou melhor, parecia não haver razão para acreditar em Deus e a existência do mal era para nós um argumento positivo contra Sua existência. Aqueles que cresceram como cristãos foram alimentados para defender Deus em um mundo hostil cheio de críticos. No budismo você tem um sistema de espiritualidade, moralidade e filosofia imensamente sofisticado (e exótico), que não precisa de Deus para nada”, explica Williams. Anos mais tarde, quando ele se converteu ao catolicismo, refletindo o filósofo escreveu: "Se olharmos para o budismo do ocidente, chamado West budismo, ele é uma forma de cristianismo em que foram retiradas as partes mais difíceis de aceitar pelos novos cristãos . "Williams ainda conheceu um líder chamado Sangharakshita Sthaira propondo certa prática budista aos que tinham um passado cristão: "blasfêmia terapêutica" para alcançar desapego de sua formação cristã , em que insulta-se o que é considerado sagrado na cultura cristã. A Williams esta ideia pareceu ultrajante.

O problema da reencarnação
O budismo no Ocidente apresenta-se principalmente como um conjunto de técnicas para experimentar o “positivo”: paz, harmonia, relaxamento ... Mas, com o passar dos anos, como filósofo ele não podia deixar de fazer perguntas, entre elas: o que acontece após a morte? Há budistas que preferem não pensar nisso, e considerá-lo "Mara" uma "ilusão", uma distração, um tema que não vale a pena pensar, mas um filósofo não deveria saber? "Os budistas acreditam no renascimento, ou seja, a reencarnação, como é chamado. Não há um começo no número de vidas renascidas: todos nós iremos renascer inúmeras vezes, sem um começo e Deus não é necessário para iniciar esse processo ", explica ele. Williams lembrou que no tempo das crenças em favor do renascimento generalizadas na Grécia e em Roma, o cristianismo não era aceito facilmente. "E com razão: se o renascimento é verdade, para que esperança?"

E quanto a mim virar uma barata?
Imagine que você vai ser executado sem dor amanhã de manhã, mas sabemos com certeza que depois renascerá como uma barata. "Você vai se acostumar, não é tão ruim, ser barata não é como ser nada ou um vazio grande, afinal  é uma vida e você ainda estará vivo ... Mas por que isso não consola a nenhum de nós?" Williams questiona.  Mais específico: " Peço que você imagine que despertará dentro do corpo de uma barata, como em  A Metamorfose de Kafka. "Como uma barata, quem sabe quais os sonhos e a imaginação de uma barata?" " A terrível ideia de ser executado ao amanhecer e renascer como barata é, para mim, simplesmente o meu fim . Eu não posso me imaginar renascendo como uma barata porque não há nada a imaginar! Apenas não haveria nada de mim lá . Se o renascimento é certo, nem eu nem os meus entes queridos sobreviverão à morte. Eu sou uma pessoa real, mas minha história termina . Talvez haja uma outra vida com algum tipo de nexo de causalidade com a vida que deixei, alguém ou algo influenciado pelo meu carma, mas esse não sou eu! ". "Na prática cotidiana, budistas tendem a obscurecer este fato, de eu desaparecer completamente com a morte quando falam de " renascimento ' ou 'se preocupe com suas vidas futuras", embora realmente qualquer renascer como uma barata na América do Sul não seria mais 'eu' e, portanto, podemos nos perguntar por que nos preocuparmos com renascimentos futuros!"

Iluminação, sim ... mas quem chega lá?
Para escapar do ciclo de renascimento, o budismo ensina que é possível atingir à iluminação, o nirvana da perfeição absoluta e o desapego total desta vida. Quando você tiver 20 anos pode pensar que com trabalho duro vai chegar lá... Mas Williams, com mais de 20 anos de intensa meditação e prática budista tinha suas razões: "É evidente que eu não vou alcançar a iluminação nesta vida. Todos os budistas tendem a dizer a mesma coisa em todo o mundo. A iluminação é uma conquista extremamente rara e suprema, para heróis espirituais, não para humanos, não para pessoas como eu e você. Ou seja, eu e meus amigos e familiares, não temos esperança."

Carma: pagar por suas outras vidas ... em você que não foi você
Rapidamente Williams explica a teoria do carma: alguns males e alguns bens que você enfrenta são um resultado do que você fez em uma vida passada. Mas em que sentido podemos dizer que o ditador cruel e mau que você foi em outra vida foi você? "A ideia de que um bebê tem uma doença dolorosa por ter sido alguém que fez alguma coisa ruim, mesmo se o bebê é de alguma forma um avivamento essa pessoa, não pode ser visto como satisfatório. Não é verdade, como alguns têm feito, que é a resposta mais aceitável para o problema do mal. Não foi o bebê quem fez s maldade, como eu não sou uma barata após minha execução."

O cristianismo oferece esperança
"O budismo não oferece nenhuma esperança. Já os cristãos sim, eles têm esperança. Então, eu queria ser capaz de me tornar um cristão. Fui examinar as coisas que tinha rejeitado na minha juventude. Percebi que é racional crer em Deus, tão racional que agora acho mais racional acreditar em Deus do que não crer como os budistas." William examinou a questão chave do cristianismo: a ressurreição de Jesus. "Fiquei espantado ao descobrir que a ressurreição literal de Cristo dentre os mortos depois de sua crucificação é a explicação mais racional do que aconteceu. Isso faz com que o cristianismo, entre as religiões teístas, seja a opção mais racional e, como cristão, percebi que a prioridade deve ser dada à Igreja Católica. No meu livro eu analisei vários argumentos para não me tornar católico e explicar como não conseguiram dissuadir-me. O cristianismo é a religião do valor infinito de cada pessoa . Cada pessoa é uma criação individual de Deus, e como tal Deus ama infinitamente os valores individuais. É aí que reside toda a moral cristã, a partir do valor do altruísmo e do sacrifício da família dos santos. Por sermos infinitamente valiosos para Deus é que Jesus morreu por nós, para salvar a todos. E nós formamos essa família, com nossas histórias, amigos e parentes. Nossa fé está em que Deus faz com que nossas mortes tenham significado para cada um de nós de uma forma além da nossa imaginação, excitando nossa esperança e nutrindo nossas vidas."

Hoje Paul Williams é um leigo dominicano cristão, professor, especialista em budismo e um grande admirador de São Tomás de Aquino.

Pablo Ginés
6/12-2011 - Fonte: http://www.revistamision.com/

Comentários