Um Rosário no Elevador

O encontro providencial entre a escritora espanhola Maria Vallejo Nágera e o ator estadunidense Mark Wahlberg.


Não há porque ter vergonha de amar e falar de Cristo, caro leitor. Nem mesmo na mais estranha situação... Eu também tremo as pernas em algumas ocasiões, mas por pura graça de Deus tiro forças e vou em frente. E tomo cada surpresa! Leia e se surpreenda com o que aconteceu comigo sobre isso há apenas um mês, durante uma viagem a Nova York:

Enquanto esperava junto a dois rapazes a chegada do elevador no 59º andar de um hotel, percebi que um deles era familiar para mim. Era o indicado a vários Oscars Mark Wahlberg, ator, modelo e produtor de filmes de grande sucesso, como “Planeta dos Macacos”, “A Tempestade” e “Boogie Nights”. Como cinéfila tinha lido artigos sobre ele e, infelizmente, sabia que este jovem, admirado por milhões de fãs, teve um passado muito conturbado. Havia sido processado 25 vezes por crimes como furto, vício em cocaína, violência racista, tentativa de homicídio e até mesmo o espancamento de um jovem vietnamita a quem deixou torto. Foi preso e cumpriu pena. No entanto, eu também ouvi dizer que, por pura graça de Deus, tinha experimentado recentemente uma abordagem "suave" para Deus, e tinha feito declarações muito bonita: "Eu desejo nada mais do que me encontrar com aquele a quem feri, pedir perdão... Só quando eu comecei a fazer o bem para os outros, eu poderia começar a viver em paz. Estou começando lentamente a conhecer Jesus...". E assim, encorajada por essa lembrança, investi... Mas que vergonha senti! ‘Ele vai pensar que sou maluca..”
Disse: "Oi, Mark. Olhe, sou...". Não me pergunte como, caro leitor, mas em um minuto ele tinha falado da minha conversão, meu amor por Cristo, e o animava a segui-Lo para viver em sua paz. E antes que déssemos conta, já estávamos amigos! Me fez muitas perguntas sobre minha Fé enquanto descia o elevador... Antes de nos perdermos de vista para sempre (ao chegar ao térreo), num impulso inexplicável, tirei o Rosário que sempre levo comigo e lhe dei. Mark me olhou com espanto: “Que bonito!”, exclamou. “É uma arma contra o Demônio”, eu disse. “O objeto de oração mais belo que nos deu nossa Mãe do Céu.Aprende a rezá-lo e viverás sobre sua proteção.” Dando-me um abraço disse “muito obrigado”. Isso foi tudo, querido leitor. Me pediu um cartão e o perdi entre os hóspedes do hotel.
Como iria imaginar que ontem iria receber um telefonema de Los Angeles: "Dona Maria, desculpe incomodá-la. Sou o agente do Sr. Wahlberg. Ele estragou o rosário que você lhe deu por excesso de uso... Ele o levava sempre no pescoço e rezava com ele. Está desolado e pediu-lhe encarecidamente que envie um novo o mais breve possível. Lhe agrada muito sua poderosa intercessão. Acredita que o ajudou muito com seu exemplo de fé e lhe agradece que lhe ensinou o poder do Santo Rosário! Pode lhe fazer esse favor? ". Que coisas, caro leitor! E eu, por medo de que fosse chamada de maluca, quase não me atrevi a dizer-lhe nada...”



Fonte: Revista “Missão” - Testemunho da escritora Maria Vallejo Nágera
http://www.unrosarioporchile.cl/historias/43-testimonios/126-un-rosario-en-el-ascensor

Comentários