evangelização não necessita de sacerdotes “showman”

Dom Piacenza: evangelização não necessita de sacerdotes "showman"

Dia de estudo em Roma sobre comunicação e sacerdócio

ROMA, sexta-feira, 20 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- "Para a evangelização, não servem os sacerdotes showman que vão à televisão", declarou o secretário da Congregação para o Clero, arcebispo Mauro Piacenza. 

O prelado falou nessa quarta-feira em um Dia de Estudo sobre "A comunicação na missão do sacerdote", organizado pela Faculdade de Comunicação da Universidade Pontifícia da Santa Cruz, em Roma.

Ele afirmou que "a comunicação deve favorecer a comunhão na Igreja, que, do contrário, converte-se em protagonismo individual ou, o que ainda é mais grave, introduz divisão".

Também indicou que "o sacerdote não deve improvisar quando utiliza os meios de comunicação, nem deve comunicar a si mesmo, mas os dois mil anos de comunhão na fé", uma mensagem que "só pode ser transmitida através da experiência própria e da vida interior".

Também interveio o professor Philip Goyret, professor de eclesiologia e teologia sacramental na Universidade Santa Cruz.

Ele explicou que, de alguma maneira, a dimensão comunicativa pertence à essência de todo sacerdote, "seja em si mesmo enquanto que sacramentalmente representa Jesus Cristo e portanto deve viver conforme aquilo que representa, ou enquanto portador de graça e ministro da Palavra de Deus".

Portanto, acrescentou, "consagração e missão são correlativas: a Palavra dá sentido ao testemunho e o testemunho dá credibilidade à Palavra".

O professor Sergio Tapia-Velasco, docente na Faculdade de Comunicação da Santa Cruz, afirmou que a homilia dominical pode-se converter em um momento privilegiado da transmissão da Palavra. 

E lamentou que em contrapartida se assista frequentemente a "tantas homilias longas e chatas".

Comentários